top of page
  • Foto do escritorABMTHS

Comunidade Deus e Nossa Senhora: A ideia é ser família!


m 1975 Dom Helder Câmara era o arcebispo de Olinda e Recife, em Pernambuco. Perseguido pelo regime militar que governava o Brasil desde o golpe de 1964, o sacerdote nunca se dobrou às exigências políticas e sempre defendeu o resgate da dignidade humana, através de ações efetivas de combate à pobreza que, já naquela época, atingia uma grande parcela da população.


Dessa vocação de repartir o pão com os mais necessitados, surgiram inúmeros projetos sociais que sobrevivem até hoje. Como a Comunidade Deus e Nossa Senhora, que surgiu sob o olhar atento do bispo, para o grande número de pessoas vivendo nas ruas de Recife.


Essa missão foi compartilhada por Dom Helder com Pe Eduardo e Pe Lourenço, que foi morar nas ruas. Com um carrinho de mão, eles recolhiam papelão para ajudar na subsistência do grupo.


Assim nascia a Comunidade! Mas quem pode nos contar essa história com riqueza de detalhes, é irmã Carla, uma religiosa, que naquela época trabalhava e vivia em uma favela da cidade e foi chamada por Dom Helder para encontrar um terreno, que ele pudesse comprar e alojar essas pessoas.


os primeiros filhos




Depois de muito procurar, conseguiram um terreno em Abreu e Lima, nos arredores de Recife, onde as pessoas foram abrigadas. As irmãs Carla e Terezinha se uniram aos padres Eduardo e Lourenço, e a Comunidade Deus e Nossa Senhora ali se estabeleceu e cresceu.


Com o tempo, os adultos que ficaram na comunidade ganharam seu espaço na vida , porém as crianças foram aumentando… A comunidade se organizou em torno delas e foi adquirindo essa feição familiar!”, conta irmã Carla.


Carla Pimentel, foi a primeira bebê a morar na Comunidade: - Sua mãe biológica morava nas ruas e era muito amiga de irmã Carla. Até os 3 meses de idade, a menina morou nas ruas com a mãe, depois foi entregue à irmã, para que tivesse um futuro melhor.


Carla, com seu irmão caçula de comunidade Rui Pimentel e o diretor da AbmthS, dr. John Sieh.

Na CDNS, Carla descobriu o que é ser família. Chamando irmã Carla e padre Eduardo de “mainha e painho”, ela convive até hoje, com seus muitos irmãos e irmãs, em uma relação de muito respeito e amor. Aos 41 anos, Carla é psicóloga, casada, mãe de três filhos e participa dos projetos sociais da comunidade, junto com o marido Fábio, que é coordenador geral da comunidade.



CDNS e os Projetos Sociais


A ideia era ser família, mas o legado de amor aos irmãos, deixado por Dom Helder, mostrou que essa família deveria extravasar dos espaços da granja em Abreu e Lima. Além de trabalhar com a população local, a comunidade em todos esses anos, realiza inúmeros projetos sociais, em diferentes regiões de Paulista, sempre procurando ajudar os mais pobres.



E a CDNS, que nasceu enraizada no carisma da oração e evangelização, enfrentou inúmeras dificuldades, cresceu, deu muitos frutos e ainda hoje vive o ensinamento de Dom Helder, de que todo esforço para ajudar os pobres vale a pena, porque somos todos irmãos, filhos de Deus e uma grande e única família…










38 visualizações0 comentário
bottom of page